+

Folder
digital

Notícia

 

24/07/2019
Irã ameaça cortar importação do Brasil se navios não forem abastecidos

O Irã ameaça reduzir ou até cortar suas importações do Brasil, a menos que os dois navios do país, paralisados há 50 dias no porto de Paranaguá (PR), sejam abastecidos. A informação é da agência Bloomberg.

O embaixador do Irã em Brasília, Seyed Ali Saghaeyan, disse a autoridades brasileiras ontem que seu país poderia facilmente encontrar novos fornecedores de milho, soja e carne se o país Brasil se recusar a permitir o reabastecimento dos navios.

As embarcações estão paradas porque a Petrobras nega-se a abastecê-los, alegando que são iranianos e que há risco de a empresa sofrer sanções dos EUA. Sem o combustível, os navios não conseguem retornar ao Irã. Um deles está carregado de milho e o outro iria buscar o mesmo produto em Imbituba (SC).

Os navios trouxeram ureia importada para o Brasil e o produto, que foi descarregado no mês passado, faz parte da lista de restrições impostas por Washington ao comércio com Teerã.

O Brasil exporta cerca de US$ 2 bilhões para o Irã por ano, principalmente commodities como milho, carne bovina e açúcar. Teerã compra um terço de todas as exportações brasileiras de milho.

“Eu disse aos brasileiros que eles deveriam resolver o problema, não os iranianos”, disse Saghaeyan em uma rara entrevista na embaixada iraniana em Brasília à agência. "Se não for resolvido, talvez as autoridades em Teerã possam querer tomar alguma decisão, porque este é um mercado livre e outros países estão disponíveis."

O embaixador iraniano também afirmou que solicitou uma reunião com o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araujo, mas ainda não recebeu uma resposta.

A Eleva, empresa que fretou os navios, argumenta que as embarcações entraram legalmente no Brasil e que comprou o produto de firmas que não estão na lista de entidades sancionadas pelos EUA.

A decisão final será tomada no Supremo Tribunal Federal, ao qual a Petrobras recorreu, depois que a Eleva obteve uma liminar na Justiça do Paraná obrigando a estatal a fornecer o combustível.

Fonte: Valor

voltar