+

Folder
digital

Notícia

 

26/05/2019
Roterdã envia contêiner inteligente em missão de coleta de dados em todo o mundo

O porto holandês de Roterdã enviou o super inteligente Contêiner 42 em uma missão de coleta de dados de dois anos em todo o mundo. Durante esta jornada, o contêiner — que abriga uma série de sensores e equipamentos de comunicação — estará medindo mudanças em parâmetros como vibração, inclinação, posição, som, poluição do ar local, umidade e temperatura.

A unidade também foi equipada com painéis solares, que podem ser usados para determinar a quantidade de energia que um contêiner pode gerar durante uma determinada viagem por navio, trem ou caminhão. O contêiner fará sua primeira parada no início de junho, em Munique, na Alemanha.

Roterdã tem a ambição de ser o “porto mais inteligente do mundo” e é por isso que assumiu a liderança na transformação digital das atividades portuárias e logísticas. E o Contêiner 42 serve como uma metáfora para essa transformação. Que tipo de coisas uma remessa de contêineres atravessa quando é transportada por via marítima ou terrestre? Tudo é registrado pelo Container 42.

Os dados coletados fornecem informações sobre os desafios enfrentados durante o transporte e a logística e contribuem para o desenvolvimento de um chamado 'gêmeo digital' para o porto: uma representação digital da área real e física do porto.

As fundações do projeto são formadas pela plataforma existente Internet of Things (IoT) da Autoridade do Porto de Roterdã. A Autoridade Portuária usa essa plataforma baseada em nuvem para coletar e processar dados provenientes de sensores instalados em toda a área do porto.

Isso fornece aos usuários informações em tempo real sobre a infraestrutura local, a qualidade da água e do ar, entre outras coisas, permitindo que o porto de Roterdã melhore ainda mais a prestação de serviços. A digitalização dos serviços portuários de Roterdã contribuirá para o encaminhamento ainda mais seguro, mais rápido e mais confiável da carga. Em algum momento no futuro também permitirá que acomode o transporte autônomo em sua área portuária.

Fonte: Portos e Navios

voltar