+

Folder
digital

Notícia

 

16/04/2019
Colheitas de soja e milho avançam forte no Brasil

As colheitas tanto da soja como do milho de verão 2019 avançaram significativamente no Brasil essa semana, conforme levantamento realizado pela Datagro Consultoria. Os trabalhos de campo chegaram a 88,9% da área projetada, com razoável avanço de quase seis pontos percentuais sobre os 83,0% registrados na semana anterior.

“Mesmo assim, o fluxo segue recorde para o período, superior aos 86,0% em igual momento do ano passado, e dos 87,0% dos recordes de 2016 e 2015. E também acima dos 86,6% da média para 5 anos. Mesmo com registro de chuvas sobre parte importante da região produtora de soja do País, a colheita da oleaginosa avançou de forma significativa, considerando o período encerrado no dia 12 de abril”, comenta a Datagro.

Também houve avanço positivo nos trabalhos de colheita do milho de verão 2019, atingindo 83,0% na região Centro-Sul até essa segunda semana de Abril: “Forte alta sobre os 73,1% da semana anterior. Com a colheita da soja caminhando para o fim, o fluxo no milho vem se acelerando. O ritmo está acima dos 80,0% em igual momento de 2018. Mas abaixo dos 88,0% de 2017, e dos 84,7% da média de cinco anos”.

Clima

O fim de semana foi recheado de chuvas dispersas por todo o Centro/Norte do Brasil e uma pequena região ao Centro da Argentina, de acordo com mapas climáticos analisados pela Consultoria AgResource: “Os totais pluviométricos somaram entre 20-40mm nestes últimos 3 dias, principalmente sobre o sudoeste de Goiás, oeste de Minas Gerais, nordeste do Mato Grosso do Sul e o médio/norte do Mato Grosso. Além do mais, índices mais sucintos de até 15mm foram observados por 85% do MATOPIBA”.

“Toda a macrorregião do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e todo o Paraguai presenciaram céu limpo e temperaturas mais quentes do que o normal. Nos próximos 5 dias, as chuvas continuam se concentrando sobre o Centro/Norte brasileiro, também regando o Rio Grande do Sul. O estado do Paraná segue sob estiagens, que já trazem impactos nas produtividades do milho-safrinha”, concluem os analistas da ARC Mercosul.

Fonte: Agrolink

voltar