+

Folder
digital

Notícia

 

29/11/2021
SHIPPING - REGULATORY UPDATES

 

SHIPPING - REGULATORY UPDATES

[Texto em português abaixo]

 

See all the subjects that will be covered in our newsletter:

 Senate approves BR do Mar; text back to House of Representatives
 Government bans flights from 6 African countries to Brazil


Senate approves BR do Mar; text back to House of Representatives
 

Last Thursday (25), the Senate plenary approved the program to promote cabotage navigation (PL 4199/2020), called BR do Mar. The vote ended with 75 senators in favour and six nays. The Bill will now return to the House of Representative's for votation as the initial text approved changed in the Senate.

As reported in our newsletter, the Bill was first approved in December last year by the House of Representatives. Since then, the Bill has faced several discussions and changes by the Senate; the project has been the subject of several meetings and changes.

One of the pillars of the Bill is the flexibility on the chartering of foreign vessels for sabotage navigation, which facilitates the entry of new cargo companies-shipowners in the matrix formed by the Brazilian coasts, rivers and lakes. The Federal Government expects that opening the market to foreign vessels will bring down the price of sabotage freight.

The main points approved in text were:

• Expansion of the use of resources from the Merchant Marine Fund (FMM), for various procedures, such as construction, acquisition, modernization, maintenance, overhaul and repair of owned or chartered vessels, as well as for the purchase or installation of equipment in Brazilian shipyards;

• Creation of the Brazilian Shipping Investment Company, which will build a fleet and charter them to carriers to operate them without investing in their fleet.;

• Qualified EBNs may  time foreign charter vessels from their foreign subsidiaries or any other foreign subsidiary of EBN;

• Defined the order of priority to prove the availability of a Brazilian vessel in a circularization procedure: 1) vessel owned by EBN built in the country; 2) EBN-owned vessel built outside the country, and 3) Other chartered vessels under the terms determined by law;

• The extension of the Exemption of the Additional Freight for Merchant Fleet Renewal until 2027;

• Reduction of the long-haul AFRMM rate from 25% to 8%, in addition to the expansion of the allocation and use of resources;

• Reporto, a special tax regime for the modernization and expansion of the port structure, was re-established and will remain in force from January 2022 until the end of 2023;

• Time Charter with the possibility to maintain the foreign flag to reduce costs will be possible. However, the EBN may only time charter ships that belong to their foreign subsidiary. For the government, this gives more security that there will be a fleet available for cabotage in Brazil;

• It will be waived the need of authorization for  voyage and time charters for cabotage if they are to replace a vessel under construction in the country in up to 100% of the tonnage;

• Authorization for the charter vessel to come from abroad carrying goods on its first trip to Brazil;

• Maintained the rate of 40% of the Additional Freight for Merchant Fleet Renewal for the transport of liquid bulk in river navigation in the North and Northeast regions;

• It was defined the phases for releasing the restriction on a bareboat charter with the suspension of the pavilion flag. After the approval of the Bill, it will be possible to charter one foreign vessel per company; in January 2024,, will go up to two vessels; in 2025, for three vessels; in 2026, for four vessels; and without any limitation in 2027;

• Authorization for Brazilian shipping companies to contract insurance and reinsurance coverage in the international market;

• Reduction of the proportionality of Brazilian crew members on foreign vessels from 2/3 to 1/3, changed for the applicability of Brazilian legislation as the law governing employment contracts and no longer the pavilion Law;
φθηνα ρολογια
• Inclusion, in the Waterway Traffic Safety Law (Law 9537/1997), of technical safety criteria currently restricted to the Maritime Authority Standards for Pilotage Service, establishing mandatory pilotage service for vessels weighing 500 tons of size;

• Possibility of the Maritime Authority granting pilotage exemption certificate to Brazilian captains of Brazilian-flagged ships of up to one hundred meters in length, a parameter internationally adopted instead of the current ones, which are up to five thousand tons in size.

• It was approved a mandatory single rotation work schedule for pilots that prevents shipowners from hiring the pilot directly without regard to the rotation.

• The Navy may temporarily set the pilot service price up to 12 months to guarantee the regularity of the service when pilots and shipowners are unable to reach an agreement on price tariffs. 


 

Government bans flights from 6 African countries to Brazil
 

The Federal Government has instituted a travel ban on flights and travellers from South Africa, Botswana, Eswatini, Lesotho, Namibia and Zimbabwe.

The measures were implemented through Ordinance No. 660, published in an extra edition of the Federal Official Gazette last Saturday (27), signed by the Ministers of Civil Affairs, Health, Infrastructure and Justice and Public Security.

The regulation followed instructions from the National Health Surveillance Agency (Anvisa) released the day before, given the concern with a new variant of coronavirus (B.1.1.529), recently named Omicron, which was identified in these countries.

Although there is no current air network with direct flights from the countries mentioned above to Brazil, the measure will affect crew change for seafarers travelling from such regions.

Brazilian passengers that visit those countries within 14 days before boarding will be subject to a mandatory quarantine. As for foreigners, the travel is suspended and will only be authorised in the following cases:

• foreigners with permanent residence, for a fixed or indefinite period;
• foreign professional on a mission at the service of an international organisation, as long as identified;
• foreign official approved by the Brazilian government; and
• foreign:
a) spouse, partner, child, parent or guardian of a Brazilian;
b) whose entry is authorised explicitly by the Brazilian Government given the public interest or for humanitarian reasons; and
c) holder of a National Migration Registry.

These foreigners authorised to travel to Brazil will be subject to 14 days mandatory quarantine upon arrival at their final destination in Brazil.

On Saturday (27), a recommendation from ANVISA announced that the restrictions would also apply to flights and travellers from four more African countries, Angola, Malawi, Mozambique and Zambia. According to the Civil House, the inclusion of these countries in the restriction measures will be discussed this week.
 

Our team is closely monitoring the sanitary/migratory impacts on transport as a result of COVID-19. For more information, contact our COVID-19 committee at covid@promare.adv.br


 

- ⚓⚓⚓ -


 

Shipping - Atualização regulatória

 

Veja todos os assuntos que serão abordados na nossa newsletter:

 Senado aprova BR do Mar; texto volta para a Câmara
⚓ Governo proíbe voos de 6 países africanos ao Brasil
 

Senado aprova BR do Mar; texto volta para a Câmara


Na última quinta-feira (25), o plenário do Senado aprovou o programa de incentivo à navegação por cabotagem (PL 4199/2020), denominado BR do Mar. A votação terminou com 75 parlamentares a favor e 6 contrários. Como a proposta foi modificada, ela retorna à Câmara dos Deputados.

Conforme estamos noticiando desde dezembro do ano passado, quando a proposta foi aprovada pela primeira vez na Câmara, o projeto vem sendo alvo de diversas discussões e alterações. 

Um dos pilares da proposta é a flexibilização do afretamento de embarcações estrangeiras para navegação de cabotagem, o que facilita a entrada de novas empresas de transporte de cargas na matriz formada pelas costas, rios e lagos brasileiros. A expectativa é que a abertura do mercado derrube o preço do frete e incentive o transporte por navegação. 

Os principais pontos aprovados no texto foram:

• Ampliação do uso dos recursos do Fundo da Marinha Mercante (FMM), para diversos procedimentos, tais como construção, aquisição, modernização, manutenção, revisão e reparação de embarcações próprias ou afretadas, bem como para aquisição ou instalação de equipamentos, desde que realizado por estaleiros ou empresas especializadas nacionais;

• Criação da Empresa Brasileira de Investimento na Navegação (EBN), que vai constituir frota e fretar essas embarcações para que novas transportadoras operem sem ter que investir em navios próprios;

• As EBNs habilitadas poderão afretar por tempo embarcações estrangeiras de suas subsidiárias estrangeiras ou de qualquer outra subsidiaria estrangeira de EBN;

• Definida a ordem de prioridade para comprovação da disponibilidade de embarcação brasileira em procedimento de circularização: 1) embarcação de propriedade de EBN construída no país; 2) embarcação de propriedade de EBN construída fora do país; e 3) Outras embarcações afretadas nos termos da determinados pela lei;

• Isenção do Adicional do Frete para Renovação da Marinha Mercante será prorrogado até 2027;

• Redução da alíquota do AFRMM no longo curso de 25% para 8%, além da ampliação da destinação e utilização dos recursos;

• O Reporto, regime tributário especial para a modernização e ampliação da estrutura portuária, foi reestabelecido e ficará em vigor de janeiro de 2022 até o final de 2023;

• O afretamento a tempo, ou seja, quando a bandeira estrangeira é mantida, reduzindo os custos, vai prever mais hipóteses em relação às normas atuais. Contudo, só poderão afretar navios que sejam de subsidiária estrangeira pertencente a uma empresa brasileira de navegação. Para o governo, isso dá mais segurança de que haverá frota disponível para a cabotagem no Brasil;

• Será dispensada a necessidade de autorização para os afretamentos por viagem e tempo na cabotagem em substituição à embarcação em construção no país em até 100% da tonelagem;

• Autorização para que a embarcação venha do exterior transportando mercadorias em sua primeira viagem ao Brasil;

• Foi mantida a alíquota de 40% para o transporte de granéis líquidos na navegação fluvial nas regiões Norte e Nordeste;

• Foram definidas as fases de liberação da restrição de afretamento a casco nu com suspensão de bandeira originária da EBN habilitada no BR do Mar. A partir da aprovação do PL já poderá ser realizado o afretamento de uma embarcação estrangeira; em janeiro de 2024 será ampliado para duas embarcações; em 2025, para três embarcações; em 2026, para quatro embarcações; e por completo em 2027;

• Autorização para que empresas brasileiras de navegação contratem, no mercado internacional, a cobertura de seguro e resseguro;

• Redução da proporcionalidade de tripulantes brasileiros nas embarcações estrangeiras de 2/3 para 1/3, alterado para a aplicabilidade da legislação brasileira como lei de regência dos contratos de trabalho e não mais a Lei do Pavilhão;

• Inclusão, na Lei de Segurança do Tráfego Aquaviário (Lei 9537/1997), de critérios técnicos de segurança hoje restritos às Normas da Autoridade Marítima para o Serviço de Praticagem, estabelecendo de forma obrigatória o serviço de praticagem para embarcações a partir de 500 toneladas de porte;

• Possibilidade da Autoridade Marítima conceder certificado de isenção de praticagem a comandantes brasileiros de navios de bandeira brasileira de até cem metros de comprimento, parâmetro adotado internacionalmente ao invés dos atuais, que são de até cinco mil toneladas de porte.

• Foi aprovada escala de rodízio de trabalho obrigatório de rotação única para os práticos que impede o armador de contratar diretamente o prático, independentemente da rotação.

• A Marinha pode fixar temporariamente o preço do serviço de praticagem em até 12 meses para garantir a regularidade do serviço quando os práticos e armadores não conseguirem chegar a um acordo sobre as tarifas.
 


Governo proíbe voos de 6 países africanos ao Brasil


O Governo Federal instituiu a proibição para voos e viajantes vindos da África do Sul, Botsuana, Essuatíni, Lesoto, Namíbia e Zimbábue.

As medidas foram implementadas por meio da Portaria nº 660, publicada em edição-extra do Diário Oficial da União do último sábado (27), assinada pelos Ministros da Casa Civil, Saúde, Infraestrutura e Justiça e Segurança Pública.

A regulamentação seguiu as orientações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgada no dia anterior, diante da preocupação com a nova variante de coronavírus (B.1.1.529), recém-nomeada Omicron, que foi identificada nesses países.

Apesar de não existir malha aérea atual com voos diretos dos países mencionados acima para o Brasil, a medida afetará a troca de tripulação dos marítimos que viajam dessas regiões.

Passageiros brasileiros que visitarem esses países até 14 dias antes do embarque estarão sujeitos à quarentena obrigatória. Já para os estrangeiros, a viagem está suspensa e somente será autorizada nos seguintes casos:

• estrangeiro com residência de caráter definitivo, por prazo determinado ou indeterminado, no território brasileiro;
• profissional estrangeiro em missão a serviço de organismo internacional, desde que identificado;
• funcionário estrangeiro acreditado junto ao Governo brasileiro; e
• estrangeiro:
a) cônjuge, companheiro, filho, pai ou curador de brasileiro;
b) cujo ingresso seja autorizado especificamente pelo Governo brasileiro em vista do interesse público ou por questões humanitárias; e
c) portador de Registro Nacional Migratório.

Esses estrangeiros autorizados a viajar para o Brasil estarão sujeitos à quarentena obrigatória de 14 dias na chegada ao seu destino final no Brasil.

No sábado (27), a Anvisa divulgou recomendação para que as restrições também sejam aplicáveis a voos e viajantes de mais quatro países africanos, Angola, Malawi, Moçambique e Zâmbia. Segundo a Casa Civil, a inclusão desses países nas medidas de restrição será discutida nesta semana.

Nossa equipe está monitorando de perto os impactos sanitários/migratórios no transporte como resultado do COVID-19. Para mais informações, entre em contato com nosso comitê COVID-19 no e-mail: covid@promare.adv.br

replica watches

voltar