+

Folder
digital

Notícia

 

28/05/2020
Íntegra do plano e retomada: confira o que pode funcionar no Ceará a partir de segunda-feira

O governador Camilo Santana (PT) anunciou transição para reabertura das atividades econômicas, a partir de segunda-feira, 01/06. O retorno gradual da economia cearense ocorrerá, primeiramente, por meio de uma fase de transição do dia 1º de junho até o dia 8. O decreto de isolamento social será prorrogado, mas o isolamento rígido, o chamado lockdown, será encerrado.

As medidas estão divididas em cinco fases, iniciando por uma de teste, na qual novas atividades passam a ser liberadas. Haverá horários de funcionamento e protocolo de segurança, com testagem de temperatura e exames para diagnosticar a COVID-19. A etapa de transição tem duração prevista de sete dias, ao fim dos quais serão analisados dados da covid-19 no Ceará para decisão pelo avanço ou não para a próxima fase.

Estão liberados a partir de segunda-feira, com quantidade reduzida de funcionários, as seguintes atividades:

Cadeia da construção: Construção de edifícios até 100 operários obra, incluindo lojas de material de construção. Máximo permitido de 30% do corpo de funcionários em trabalho presencial.

Saúde: Comércio médico e ortopédico, óticas, podologia e terapia ocupacional. Única cadeia autorizada a funcionar com 100% do corpo de funcionários em trabalho presencial.

Indústria e serviço da apoio: Indústria de artigos de escritório e manutenção industrial. Cabeleireiros, manicures e barbearias. Máximo de 30% dos funcionários.

Indústria Química: Indústria de químicos inorgânicos, plástico, borracha, solventes, celulose e papel. Máximo de 30% dos funcionários

Artigos de couro e calçados: Fabricação de calçados e produtos de couro. Máximo de 20% dos funcionários. Máximo de 30% dos funcionários

Indústria metalmecânica e afins: Fabricação de ferramentas, máquinas, tubos de aço, usinagem, tornearia e solda. Máximo de 30% dos funcionários.

Saneamento e reciclagem: Recuperação de materiais. Máximo de 30% dos funcionários.

Energia: Construção para barragens e estações de energia elétrica, geradores. Máximo de 20% dos funcionários.

Têxteis e roupas: Indústria têxtil, confecções e de redes. Máximo de 30% dos funcionários.

Comunicação, publicidade e editoração: Impressão de livros, material publicitário, e serviços de acabamento gráfico. Máximo de 30% dos funcionários.

Artigos do lar: Fabricação de eletrodomésticos e artigos domésticos. Máximo de 30% dos funcionários.

Agropecuária: Obras de irrigação. Máximo de 30% dos funcionários.


Móveis e madeira: Fabricação de móveis e produtos de madeira. Máximo de 20% dos funcionários.

Tecnologia da informação: Fabricação de equipamentos de informática. Máximo de 30% dos funcionários

Logística e Transporte: Metrofor, transporte rodoviário metropolitano na RMF e manutenção de bicicletas. Máximo de 30% dos funcionários

Automotiva: Indústria de veículos, de transporte e peças. Máximo de 20% dos funcionários.

Esporte: Treinos de atletas de esportes individuais, além dos clubes de futebol participantes da nal do Campeonato Cearense

Fonte: O Otimista/Focus

voltar